Som

Desenhada para alcançar

a perfeição sonora

O ponto de partida ideal para poder exprimir toda a criatividade é a reprodução pura e natural. O conceito está tão enraizado na abordagem Yamaha no que diz respeito ao design de mesas de mistura que se tornou uma filosofia da marca. O som produzido em palco deve ser captado com precisão. Só assim é possível com o máximo de eficiência o impacto criativo desejado de forma a criar o impacto criativo desejado. E claro que esta filosofia está expressa na RIVAGE PM10.

A base assenta num design de Pré-Amplificadores de Microfone Híbridos recentemente desenvolvido, com uma secção analógica que representa o conceito de Som Natural da Yamaha na sua forma mais avançada. Na fase digital, a tecnologia VCM da Yamaha de modelação digital recria as características do circuito transformador da Rupert Neve Designs e do aclamado processamento SILK, de modo a alcançar um som extraordinariamente musical e amplo. A dinâmica e o EQ dos canais também foram melhorados significativamente, oferecendo capacidade expandida para um controlo sónico expressivo.

Os plug-ins internos, com engenharia de som de topo, também usufruíram de um enorme salto evolutivo. Houve inclusive um grande esforço em criar colaborações com outros fabricantes. A par dos novos modelos VCM de unidades de EQ e compressão dos anos 70 e 80, que foram desenvolvidos em conjunto com a Rupert Neve Designs, a nossa primeira colaboração com a TC Electronic resultou na inclusão de dois excecionais processadores de reverb e de um Eventide Harmonizer, que está atualmente em desenvolvimento. Uma extensa seleção de plug-ins, incluindo alguns dos mais populares de anteriores mesas digitais da Yamaha, oferece aos engenheiros de som as ferramentas que necessitam para criar o som perfeito – em qualquer situação!

Tudo está direcionado para a reprodução e criação do melhor som possível. O som da RIVAGE PM10 é o resultado do design detalhado e da investigação exaustiva, com um objetivo muito bem definido: alcançar a melhor qualidade de som possível!

Pré-Amplificadores Híbridos de Microfone: Uma Base Sólida para um Som Superior

Os Pré-Amplificadores Híbridos de Microfone na secção de entrada do sistema da RIVAGE PM10 providenciam o carácter fundamental para o som geral do sistema. Um dos aspetos mais importante desse carácter é o som natural na secção analógica, consistente com a filosofia de “Som Natural” que a Yamaha defende desde sempre. A seleção de partes, construção mecânica, layout de circuito, fonte de alimentação e o “grounding” são aspetos que podem afetar a qualidade do circuito analógico e que foram meticulosamente revistos e aperfeiçoados na RIVAGE PM10.

Até as mais pequenas alterações devido a variações em partes individuais foram rigorosamente avaliadas e retificadas. Os ajustes finais foram feitos com base na avaliação auditiva de especialistas Yamaha, assim como de engenheiros externos, resultando num design totalmente novo que é genuinamente digno da palavra “emblemático”. A capacidade do sistema em captar com precisão o som a ser produzido em palco providencia a melhor base possível para o processamento com total criatividade.

Processamento SILK da Rupert Neve Designs modelados com a tecnologia VCM

Outro fator vital que contribui para o som soberbo dos Pré-Amplificadores Híbridos de Microfone é a sua secção digital. O circuito do transformador e o processamento SILK incorporado nos dispositivos analógicos profissionais da Rupert Neve Designs, projetados pelo próprio Rupert Neve, foram modelados de forma meticulosa, utilizando a tecnologia VCM (Virtual Circuitry Modeling), original da Yamaha. Estes extraordinários pré-amplificadores estão disponíveis para utilização em todos os canais de entrada da RIVAGE PM10.

A tecnologia VCM, que já produziu imensos efeitos e plug-ins altamente conceituados, foi originalmente desenvolvida por Toshifumi Kunimoto (afetuosamente conhecido como “Dr.K”) do Laboratório K da Yamaha. A VCM modela com precisão todos os aspetos do circuito analógico, até as características de componentes individuais como resistências e condensadores, tal como o próprio circuito, recriando completamente a saturação e a não-linearidade que é ignorada em simulações digitais convencionais. A avaliação e refinamento auditivo dados por engenheiros de topo proporcionam um som excecionalmente musical.

O próprio Rupert Neve ficou impressionado com as capacidades da tecnologia VCM, afirmando: “Finalmente, uma tecnologia digital que é capaz de criar o som soberbo que anteriormente só estava disponível através de um circuito analógico.” Anteriormente lançada em forma de versões plug-in da série de processadores Portico da Rupert Neve Designs, a mesma tecnologia faz agora parte dos Pré-Amplificadores Híbridos de Microfone da RIVAGE PM10.

O Som Rupert Neve para Todos os Técnicos de Som

O facto de os técnicos de gravação utilizarem frequentemente preamps de microfone projetados por Rupert Neve para dar ao seu som um toque de compressão refinado e uma saturação natural é bem conhecido. O processamento SILK pode elevar a sonoridade a novos níveis, com potência e charme adicional. Os sons que tendem a ficar perdidos na mistura ganham uma nova vida e brilho, com um núcleo basicamente analógico.

A função de processamento SILK providenciada nos Pré-Amplificadores Híbridos de Microfone da RIVAGE PM10 oferecem duas variações: "RED", para um som quente, e "BLUE”, para solidez e potência. Também existe um knob “TEXTURE” continuamente variável que consegue modelar musicalmente os componentes harmónicos para um melhor encaixe com a fonte. Os benefícios do processamento SILK também são evidentes na forma como a EQ dos vários canais e os plug-ins afetam o som.

O facto de o SILK poder ser utilizado em todos os canais é uma enorme vantagem. Pode ser aplicado unicamente em canais específicos, para dar vida às partes correspondentes dentro da mistura, ou em todos os canais, para adicionar profundidade e perspetiva à mistura geral.

O sistema RIVAGE PM10 faz com que o som do pré-amplificador Rupert Neve fique disponível para um maior número de técnicos de som, que podem agora aproveitá-lo para aumentar a sua criatividade.

Misturador Automático Dan Dugan Incorporado

Graças à estreita colaboração com a Dan Dugan Sound Design, os sistemas da série RIVAGE PM integram o famoso sistema Dan Dugan de mistura automática com os seus avançados algoritmos. A configuração é muito simples: é necessário apenas inserir o processador nos canais (até um máximo de 64) para conseguir a distribuição optmizada de ganho automática dos microfones. O controlo de ganho é suave e natural, tal como se a mistura estivesse a ser executada por técnicos experientes. O sistema também reduz eficientemente o feedback e problemas de filter comb. Para aplicações de voz, especialmente situações não-programadas, esta funcionalidade permite que o técnico se concentre em detalhes além da operação fader, de forma a poder criar misturas de alta-qualidade.

Funcionamento

Funcionamento Intuitivo

Oferece Confiança e Conforto

Funcionamento Intuitivo Oferece Confiança e Conforto

O trabalho de um técnico de som é oferecer ao público, nas melhores condições possíveis, o que se esta a passar no palco.Como a mesa de mistura é a ferramenta principal do técnico de som, o funcionamento é crucial, particularmente no contexto de som ao vivo – em rápida e constante evolução nos dias de hoje. O sistema RIVAGE PM10 inclui um Estilo de Operação Híbrido que transporta os aspetos mais valorizados das mesas digitais de mistura da Yamaha para um novo nível, que oferece aos técnicos de som um controlo expressivo sem precedentes.

Sustentando o funcionamento extraordinário do sistema, temos no lado direito do painel superior o famoso interface “Selected Channel” da Yamaha, que permite controlar diretamente todos os parâmetros do canal selecionado de forma intuitiva. No lado esquerdo do painel existem dois grandes ecrãs LCD táteis que funcionam como a continuidade lógica dos faders da parte inferior, proporcionando o controlo de um grande número de canais simultâneos, estilo Centralogic. A par destas duas funcionalidades de interface, a visibilidade da posição do encoder foi melhorada, tal como inúmeros detalhes que contribuem para uma operação geral significativamente melhorada.

Novas e notáveis funcionalidades incluem filtros de Overlay e Isolate que potenciam o trabalho com as memórias e cenas, e uma opção denominada “Fallow” para os masters de envio e para as saídas diretas, entre outras funções. Há também funções atualizadas e melhoradas para conseguir maior flexibilidade na hora de gravar ao vivo, saídas duplas para monitores e toda uma série de valiosos detalhes.

Com operação e funcionalidades projetadas para suportar compreensivamente o panorama sonoro da atualidade, a RIVAGE PM10 permite aos técnicos de som focarem-se no som e desfrutar do processo criativo.

O sistema da RIVAGE PM10 consiste numa superfície de controlo, um ou dois módulos DSP, até oito I/O racks e cartões RY/HY. O sistema é flexível e pode ser configurado para combinar com aplicações de qualquer escala ou complexidade.

Todo o Interface Selected Channel da Yamaha

A Yamaha sempre se focou na operacionalidade em mesas digitais de som ao vivo, esforçando-se para conseguir providenciar um interface que os engenheiros de mesas analógicas possam operar intuitivamente; ao mesmo tempo que maximizam os benefícios das tecnologias e funcionalidades digitais. O sistema da RIVAGE PM10 agarra nesse conceito e eleva-o a um novo nível, alargando um interface que já é familiar e altamente aclamado com uma eficiência e facilidade ainda maior em alcançar o som desejado.

Um elemento chave desse interface é o conceito “Selected Channel” da Yamaha, que dá acesso direto aos parâmetros de qualquer canal selecionado através da sua chave SEL. A secção “Selected Channel” da RIVAGE PM10 herda a configuração completa da lendária mesa digital PM1D, providenciando acesso direto e rápido a todos os parâmetros. Encoders, botões e indicadores são providenciados num layout abrangente que utiliza totalmente o espaço disponível no painel, para uma operação confortável em qualquer ambiente ou situação de mistura.

Ecrã Tátil e Interligação de Faders de Pistas para Controlo Intuitivo

A superfície de controlo da RIVAGE PM10 inclui três grupos de 12 faders, que conseguem receber canais para assignar, quando necessário. Os dois grupos de faders mais à esquerda trabalham com grandes ecrãs táteis no painel superior, oferecendo uma versão melhorada do ambiente de operação do Centralogic. Os channel strips estendem-se vertical e virtualmente até aos ecrãs táteis, para controlo fácil e lógico.

No sistema RIVAGE PM10, tal permite que os canais sejam convenientemente geridos em 12 grupos de canais. Também facilita a operação com 2-pessoas, com operadores diferentes a gerir os grupos da esquerda e da direita. Funcionalidades como jacks de auscultadores em ambas as extremidades do painel frontal e suportes para auscultadores, comprovam a seriedade da Yamaha em oferecer aos engenheiros de som o ambiente de trabalho mais confortável possível.

Uma Secção de Monitorização que Combina com Qualquer Trabalho

As necessidades de monotorização para reforço de som ao vivo podem variar consideravelmente de trabalho para trabalho, por isso é essencial ter um sistema de monitorização flexível. O sistema RIVAGE PM10 inclui duas saídas de monição mais busses Cue, e podem ser armazenadas até oito combinações de fontes de monição para recall instantâneo. Claro que o nível de cada saída é ajustável de forma independente. A secção de monitorização também oferece delays dedicados e EQ paramétrico de 8-bandas. Um ponto de inserção antes da secção de EQ permite que os plug-ins também sejam utilizados na secção de monitorização. As funcionalidades flexíveis e cuidadosamente planeadas providenciadas na secção de monitorização da RIVAGE PM10 facilitam a adaptação a qualquer situação de monitoramento.

A Conveniência está nos Detalhes

Os principais encoders do painel da RIVAGE PM10 estão rodeados por anéis em formato de ferradura, que apresentam as definições atuais. O formato em ferradura dos anéis foi projetado para providenciar a melhor visibilidade – quando, por exemplo, os encoders são visualizados a partir de baixo, e normalmente é esse o caso com os encoders multifuncionais no topo do fader das pistas. Esta apresentação tão única garante que os indicadores próximos da posição das 12h não fiquem escondidos por detrás do knob.

O formato do fader knob, resultado de vários anos de melhoramentos nos interfaces de mistura, é outra caraterística importante. Os fader knobs são delineados para que seja possível um controlo positivo e confortável, independentemente de onde o dedo estiver posicionado no knob. Esta funcionalidade só pode ser verdadeiramente apreciada através de uma experiência direta.

Está incorporada uma pequena lâmpada na parte frontal do painel, por baixo do apoio de braço, projetada para iluminar um teclado e rato que possam eventualmente ali ser colocados. É um pequeno detalhe, mas um dos muitos que contribuem para uma melhoria significativa da operação em geral.

No geral, a mesa está desenhada para que os ecrãs táteis e a seção do canal selecionado estejam no painel elevado, oferecendo uma excelente visibilidade a partir da posição do técnico de som, tal como um fácil acesso a todos os controlos, além da capacidade de manter um olho no palco e outro na mesa, ao mesmo tempo. Os ecrãs táteis também estão colocados em localizações de fácil acesso.

Funcionalidade Melhorada

Isolate, for Enhanced Scene

Recall Versatility

Filtro Isolate, para maior versatilidade ao recuperar cenas

Uma funcionalidade fundamental oferecida pelo maior parte das mesas digitais modernas e memória de sessões. Como normalmente os técnicos de som têm estilos visuais e de mistura diferenciados, em especial sobre como a memória de sessões deve ser utilizada, esta é uma funcionalidade que deve ser implementada da forma mais flexível possível.

O sistema RIVAGE PM10 permite uma grande variedade de formas de “filtrar” operações de recall de memória. “Focus Recall”, uma funcionalidade já conhecida pelos utilizadores de mesas Yamaha, permite a especificação de tipos de informação a ser ativada. A “Recall Safe” funciona ao contrário: previne tipos específicos de informação serem re-ativados. Por sua vez, o filtro “Isolate” torna possível especificar módulos de canal inteiros, incluindo bibliotecas de dinâmicas e EQ, etc., que vão ser protegidos de operações de recall. O que significa que mesmo que certos parâmetros de um canal estejam protegidos por “Recall Safe”, por exemplo, se possa automaticamente isolar e proteger o canal inteiro do recall sem alterar as definições “Recall Safe”. É uma funcionalidade que será de grande valor em situações onde a memória de sessões é altamente utilizada.

Filtro Overlay para Resposta Rápida

O filtro “Overlay” é outra das novas funcionalidades e que pode aumentar bastante a utilidade da memória de sessões. Este filtro pode ser sobreposto numa mistura para aplicar offsets aos níveis de fader e aos níveis de envio de mistura/matrix, independentemente da recall de sessão. Um exemplo concreto de quando esta funcionalidade poderá ser útil: quando uma alteração inesperada acontece, requerendo ajustes ao nível do canal correspondente. Utilizando o filtro “Overlay” é possível realizar uma alteração de nível temporária e relativa a esse canal e depois inverter instantaneamente até ao nível original. O filtro “Overlay” irá demonstrar o seu valor em situações que requerem alterações súbitas, em conjunto com a capacidade de facilmente voltar às definições originais.

Dois Sistemas Práticos de Gravação ao Vivo

A capacidade de gravação ao vivo com qualidade profissional está a tornar-se uma funcionalidade essencial nas mesas de som ao vivo. A par da conveniente gravação de 2-pistas para uma flash drive USB, o sistema RIVAGE PM10 é compatível com gravação de múltiplas pistas através de uma rede áudio Dante, opcional, para corresponder à maior gama possível de requesitos de gravação.

A função de gravação flash drive USB de 2-pistas grava diretamente a saída do bus STEREO ou MIX para a flash drive. A música de background ou os efeitos sonoros gravados na flash drive também podem ser atribuídos a qualquer canal de entrada para reprodução. A conversão de sample rate é providenciada para a entrada e saída, por isso a função de gravação pode ser utilizada sem se ter de pensar na Sampling Rate do sistema. A informação pode ser gravada para, ou reproduzida de, ficheiros WAV ou MP3.

Podem ser efetuadas gravações com múltiplas pistas para uma DAW baseada em computador através de uma rede áudio Dante implementada com o opcional cartão HY144-D. É possível gravar até 128 canais em alta-resolução (entrada e saída) a 96 kHz se o computador estiver equipado com uma placa de interface áudio Dante Accelerator PCIe. Com o Dante Virtual Soundcard, o máximo de pistas para entrada/saída é de 64.

Gravações com múltiplas pistas de ensaios, produzidas por este meio, podem ser utilizadas para “sound checks virtuais” – para quando os artistas não estão disponíveis. O patching de entrada para todos os canais necessários pode ser alterado com uma única operação para sound checks virtuais e de gravação. Playback de gravação e stage input também podem ser combinados, sempre que necessário.