2as Maiores – à conversa com Michael Lauren

“Sempre que posso, pratico novas ideias, muitas vezes a partir das que abandonei há vinte anos. Há qualquer coisa quase Zen no processo de ensaiar.”

michael_lauren_yamaha_artist

Radicado há alguns anos no nosso País, admirado por todos os que o conhecem ou frequentam as suas aulas, músico requisitado pelos nossos melhores músicos e big bands e, ainda, mestre em escolas do Porto e Lisboa de alguns dos mais destacados bateristas portugueses, o norte-americano Michael Lauren pertence (ainda e sempre) ao núcleo consistente e irresistível da gloriosa escola do drumming poderoso, no que se refere à manutenção e desenvolvimento do swing como característica rítmica e expressiva única do grande jazz clássico-moderno com origem nos EUA.

Yamaha: Como foi o teu primeiro contacto com a música?
Michael Lauren: Foi quando entrei para a escola primária e comecei a tocar na banda de sopros. A bateria surge aos 8 anos de idade.

Yamaha: Quais são as tuas maiores influências na música?
Michael Lauren: Buddy Rich, Gene Krupa, Max Roach, Louis Hays, Popa Joe Jones, Sonny Payne, Ringo Starr, Stix Hooper, Stevie Wonder, Clyde Stubblefield.

Yamaha: Que importância tem a música na tua vida?
Michael Lauren: A música é a minha vida.

Yamaha: Fala-nos um pouco dos teus projetos atuais?
Michael Lauren: Neste momento além da parte pedagógica, estou envolvido em três projetos. The Michael Lauren All Stars, um septeto de Hard Bop contemporâneo. O primeiro CD da banda, “Once Upon A Time In Portugal” foi eleito pela revista ArteSonora como um dos 10 Melhores Álbuns Nacionais e recebeu excelentes criticas a nível internacional.
Tocar numa big band é algo que sempre adorei fazer. É muito gratificante fazer parte da Orquestra de Jazz do Algarve dirigida pelo Hugo Alves, o reportório é incrível e os artistas convidados são sempre de alto nível.
The Postcard Brass Band é um projeto muito especial para mim. É um quarteto eclético que explora vários estilos musicais, que vão desde o jazz tradicional de Nova Orleães até à improvisação espontânea. Ambos os Cd’s dos The Postcard Brass Band foram aclamados internacionalmente.

Yamaha: Podes falar-nos um pouco sobre o material que estás a usar e porque escolheste Yamaha?
Michael Lauren: Uso kits com medidas diferentes consoante as situações musicais em que tenho que tocar. As baterias Yamaha soam sempre muito bem e são muito consistentes. As baterias Yamaha respondem sempre com uma claridade impressionante e em todos os registos dinâmicos. Os bombos da Yamaha são incríveis, independentemente do tamanho. Sempre adorei a simplicidade, eficácia e durabilidade do hardware da Yamaha.

Yamaha: Alguma mensagem final para os jovens músicos?
Michael Lauren: Oiçam o máximo de música possível. Não tenham complexos e oiçam música de todos os estilos. Toquem por cima das músicas gravadas e não apenas gravações sem bateria. Pratiquem, Pratiquem e Pratiquem.

Michael Lauren utiliza:

  • Bateria Yamaha Absolute Hybrid Maple
  • Bateria Yamaha Recording Custom 40º Aniversário
  • Bateria Yamaha Manu Katché Jr. Kit
  • Bateria Yamaha Stage Custom Birch
  • Hardware Yamaha

#2asMaiores

Siga-nos nas nossas redes sociais: